4 vantagens da integração de sistemas com o Red Hat Fuse

4 vantagens da integração de sistemas com o Red Hat Fuse
6 minutos para ler
Tempo de leitura 6 min

Integrar soluções digitais e suas funcionalidades é uma das grandes tendências da transformação digital. Trata-se de uma estratégia que permite otimizar o desempenho dos softwares e ainda reduzir custos operacionais, fomentando a inovação no setor de TI. Nesse sentido, a integração de sistemas com o Red Hat Fuse tem ganhado cada vez mais espaço, mas afinal, como isso funciona?

O Fuse é uma plataforma de integração de sistemas, criada e distribuída pela Red Hat. Visando facilitar e acelerar esse processo, ele conta com diversos conectores que permitem plugar sistemas de diferentes tecnologias. Você pode colocar um sistema em Java para se comunicar com uma plataforma SAP, por exemplo, muito facilmente e com pouco código.

Quer saber o segredo de tanto sucesso do Red Hat Fuse entre empresas de todos os tamanhos e setores? Então, veja a seguir as principais vantagens que ele proporciona!

1. Implantação híbrida

Com o objetivo de atender às principais demandas de qualquer modelo de negócio, o Red Hat Fuse foi desenvolvido para permitir uma implantação híbrida. Em outras palavras, a empresa não precisa se adequar para adotar o sistema — é ele quem se adapta às características e necessidades de cada usuário.

Na prática, isso significa que você pode implantar a solução de três formas: on-premise (na sua própria empresa), na nuvem (pública ou privada) ou como serviço hospedado. Com isso, você garante a compatibilidade com diferentes perfis de usuário em uma única plataforma.

Isso faz do Red Hat Fuse uma solução ideal para organizações de diferentes tipos e tamanhos. Afinal, por um lado, você pode elaborar uma infraestrutura digital customizada para atender às demandas específicas de uma grande empresa. Por outro, um pequeno empresário pode alocar o serviço na nuvem, sem a necessidade de contar com uma grande equipe de TI para gerenciá-lo.

Se você tem um sistema interno de frente de loja e deseja transformá-lo em um serviço digital, como um e-commerce, por exemplo, a integração funciona como estratégia de transição. Seja com um site, seja com um aplicativo de smartphone, a nova plataforma precisará se comunicar com a antiga.

Nesse contexto, o Fuse entra como ferramenta mediadora, viabilizando o diálogo entre diferentes tecnologias. Não importa o tamanho da empresa — quando pensamos em inovação tecnológica, é preciso viabilizar a troca de informações entre softwares que falam línguas diferentes. Desde o planejamento, a integração de sistemas com o Red Hat Fuse é flexível para atender às suas demandas.

2. Integração baseada em containers

Trabalhar com base em containers permite que os desenvolvedores de aplicações possam criar, ampliar, implementar e escalar microsserviços com total independência entre eles. Isso significa desmembrar processos e sistemas, para otimizar a criação e o aprimoramento das ferramentas da empresa.

Nos modelos tradicionais de desenvolvimento, toda alteração em uma solução traz consigo a necessidade de adequar todas as partes do sistema às novas funções. Isso significa aplicar uma extensa rotina de testes para eliminar bugs e falhas em geral. A integração baseada em containers usa uma estratégia mais eficiente.

Ao lidar com microsserviços, o desenvolvimento é acelerado. As aplicações são desmembradas, permitindo que os desenvolvedores manipulem componentes mínimos e separados. A dinâmica de funcionamento, por sua vez, é colaborativa: os microsserviços se relacionam para realizar as tarefas do sistema. Trata-se de uma estratégia de desenvolvimento que valoriza a granularidade e a leveza do software.

3. Solução iPaaS integrada com uma interface low-code

Se o desenvolvimento é uma parte essencial do uso integrado das plataformas, é preciso otimizá-lo também. Tendo isso em vista, o Red Hat Fuse tem como característica fundamental o oferecimento de uma interface com experiência de usuário low-code. Contudo, afinal, como isso funciona? A ideia é justamente simplificar o processo.

No Red Hat Fuse, o desenvolvedor tem acesso a uma interface drag and drop (arraste e solte). Isso significa que ele não precisará escrever linha por linha do código nas mais variadas linguagens de programação que as plataformas utilizam. Ou seja, a lógica do Fuse poderá ser definida por meio de uma interface low-code.

Enquanto o desenvolvedor trabalha nisso, o próprio Fuse faz o trabalho repetitivo por trás da lógica (a programação do código, em si). Se julgar necessário, é claro, o programador pode interferir diretamente no código para realizar adequações pontuais ou mais amplas. O ponto é que uma experiência low-code é parte de um conjunto de funções que compõem uma plataforma de integração como um serviço (iPaaS).

4. Integração em qualquer ambiente

O Red Hat Fuse oferece mais de 200 conectores para viabilizar a comunicação entre os mais variados softwares e ambientes que sua empresa possa utilizar. Isso inclui sistemas legados, aplicativos de software como um serviço (SaaS), interfaces de programação de apps (APIs), dispositivos com a tecnologia da internet das coisas (IoT) etc.

O mesmo se aplica em relação a ambientes online, como as redes sociais. Se quiser integrar uma aplicação com o Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn, os conectores do Fuse estão prontos para isso. Na prática, não será preciso desenvolver nada, apenas configurar o sistema.

Para ir além, o Red Hat Fuse tem uma série de componentes que visam facilitar a integração e gerenciá-la. Afinal, uma boa gestão é tão importante quanto garantir um bom desempenho das plataformas digitais.

Algumas funções relacionadas à gestão da integração de sistemas são:

  • manutenção no sistema sem derrubar os outros;
  • mapeamento de todas as integrações existentes;
  • conectores que facilitam essa comunicação de diversas tecnologias;
  • gerenciamento dos recursos físicos e infraestrutura que estão sendo consumidos por essas integrações.

Nesse último caso, estamos falando de uma estratégia para controlar o que acontece nas integrações. Assim, evita-se que a performance de um sistema impacte na performance de outros sistemas interligados.

Como você pôde ver, são diversos benefícios que vão desde a implantação da plataforma até os processos mais amplos de gestão. Não é à toa que cada vez mais empresas adotam a integração de sistemas com o Red Hat Fuse como estratégia de negócios. Faça uma análise da sua infraestrutura de TI e coloque essa tecnologia para trabalhar a seu favor!

Se você quer saber como o Fuse pode ser implantado no contexto específico da sua empresa, entre em contato com a FábricaDS e fale com quem mais entende do assunto!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Scroll Up