Kubernetes: Entenda o que é e como funciona

Entenda o que é e como funciona o Kubernetes
7 minutos para ler
Tempo de leitura 6 min

O Kubernetes é uma ferramenta muito mais conhecida pelo seu apelido K8S, que nada mais é uma “abreviação” do nome que contém oito caracteres entre a letra “k” e a letra “s”. Ele é, de forma resumida, uma plataforma de automação de operações de containers Linux, disponibilizada em open source e distribuída pela Red Hat e seus fornecedores autorizados.

Inicialmente, o Kubernetes foi um projeto da Google, visto que essa empresa foi a grande pioneira no desenvolvimento e na utilização das tecnologias de containers para o Linux. Atualmente, a gigante de TI tem quase todas as suas tarefas virtuais executadas em containers, gerando mais de 2 bilhões de implementações quase toda a semana.

Isso permite que a Google consiga manter seu papel de liderança em vários setores de TI. Quer saber mais sobre o assunto? Acompanhe o nosso post!

Como funciona o Kubernetes?

O grande objetivo do K8S é eliminar a maioria dos processos manuais que são utilizados na hora de implementar e escalar as tarefas de containers, como agrupamento de clusters.

Na verdade, o Kubernetes automaticamente gerencia os clusters com a mesma eficiência da mão de obra humana, porém muito mais rapidamente. Inclusive, ele funciona bem com os clusters com hosts em nuvem, sendo elas privadas, públicas ou híbridas.

Por esse motivo, essa plataforma open source tem se tornado a melhor escolha para a hospedagem de aplicações nativas na nuvem, pois ela as ajuda a ter uma escalabilidade muito mais rápida. Por exemplo, o K8S conta com a transmissão de dados com o Apache Kafta em tempo real.

Logo no início do desenvolvimento do Kubernetes, até mesmo antes do lançamento para o público, a Red Hat foi uma das parceiras da Google para o aprimoramento da ferramenta, tornando-se o “segundo maior colaborador do projeto upstream“. Por fim, a Google doou todo o projeto do K8S para a Cloud Native Computing Foundation, mas a Red Hat permaneceu como grande aliada.

Quais são as funcionalidades do Kubernetes?

Como explicamos, a principal tarefa do K8S é a programação e execução dos containers nos clusters das máquinas virtuais. Desse modo, é possível ganhar tempo e eficiência no desenvolvimento de aplicações para a nuvem.

Isso é feito por meio da automação completa das tarefas operacionais, assim como é feito em outras plataformas de aplicações ou sistemas de gerenciamento. Desse modo, os desenvolvedores poderão contar com uma infraestrutura baseada em containers para seus ambientes de produção.

Isso parece simples, não é mesmo? Mas, na verdade, são várias as tarefas por trás dessa ferramenta, como:

  • orquestração de containers nos hosts da sua empresa;
  • otimização do uso do hardware para que suas aplicações contenham o máximo dos recursos necessários para a execução;
  • controle e automação de implementações e atualizações;
  • montagem e adição de armazenamento para que suas aplicações possam contar com a monitoração de estado;
  • utilização da metodologia declarativa para o gerenciamento de serviços de TI para que você tenha mais uniformidade e simplicidade na hora da execução das aplicações;
  • verificação da integridade e recuperação das aplicações automaticamente por meio de operações de posicionamento, replicação, reinício e escalonamento.

Quem está acostumado com plataformas open source, especialmente as da Red Hat, sabe que para obter os melhores resultados, é sempre necessário ter um ambiente completo integrado a outros projetos. Isso, ao contrário do que muitos pensam, não é uma desvantagem.

As plataformas de código fechado também são limitadas e, por mais que os fornecedores façam propaganda, sua empresa sempre precisará contratar outros serviços. O benefício do open source é o alto nível de diálogo entre suas plataformas, ainda mais quando elas são fornecidas pelo mesmo fabricante.

Entre as principais funções de projetos que podem ser integradas ao Kuberbetes estão:

  • registro de código e de usuários, com o Atomic Registru ou o Docker Registry;
  • telemetria: o heapster, o kibana, o hawkular e o elastic;
  • segurança: LDAP, o SELinux e o RBAC;
  • gerenciamento de ciclo de vida do cluster: Ansible.

Quais as vantagens do Kubernetes?

Redução de custos

Esse é um objetivo essencial para todo e qualquer negócio, pois os custos operacionais crescem naturalmente devido à inflação e também devido às despesas operacionais geradas pela escalagem do negócio. Os containers são a melhor forma de otimizar os custos em uma empresa de programação, pois são “pacotes” com tudo aquilo que um aplicativo precisa para funcionar corretamente.

Ademais, eles são extremamente versáteis e podem compartilhar o mesmo sistema operacional e a mesma conexão em rede. Assim, sua empresa não precisa mais criar uma máquina virtual com sistemas operacionais individuais para cada aplicativo. Consequentemente, você precisa de menos recursos em termos de hardware e de data center.

No entanto, para colher o máximo desse benefício, você precisa de uma ferramenta de orquestração automatizada. Assim, haverá uma plataforma que cuida da alocação de recursos para cada container, estando eles in loco ou na nuvem.

O Kubernetes entrega justamente esse serviço, dispensando que você dedique parte do seu pessoal exclusivamente para a gestão de servidores, de nuvem e de hardware para os containers.

Implementação rápida de projetos

O objetivo principal da utilização de containers é a aceleração dos processos de criação, teste e liberação de aplicações para os clientes, não é mesmo? Pensando nisso, o K8S oferece várias funcionalidades:

  • lançamentos e reversões automatizados: caso você precise implementar uma nova versão ou uma atualização do seu aplicativo, o Kubernetes fará todo o processo sem período de inatividade. Depois disso, ele ainda verifica a integridade dos containers e reverte automaticamente a atualização em caso de falhas;
  • implementação canário: as Canary deployments estão crescendo no ambiente do desenvolvimento, pois permitem ao programador testar a nova implementação com a versão anterior. Assim, você somente efetiva uma nova implementação e reduz a anterior caso tenha certeza do sucesso do procedimento;
  • suporte a várias linguagens e frameworks de programação: o Kubernetes é muito versátil e trabalha com o Java, o Go., a .Net etc. Tudo isso é possível graças à grande comunidade desse software open source que atualiza sempre com as linguagens mais atuais. Portanto, praticamente todo o aplicativo que permite o uso de container também funcionará bem com o K8S.

Portanto, acreditamos que o Kubernetes é uma ferramenta essencial para todos que queiram trabalhar com a programação baseada em containers. Afinal, há várias tarefas que podem ser mais bem gerenciadas com uma ferramenta adequada e com um alto nível de automação.

Isso certamente reduzirá os custos dos seus projetos, aumentará a eficiência e reduzirá os problemas gerados durante a fase de desenvolvimento de aplicações, especialmente aquelas hospedadas na nuvem.

Quer saber mais sobre containers e todas as ferramentas que melhoram o ambiente de desenvolvimento de aplicações? Então, aproveite a visita e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Scroll Up