O que é o Openstack? Entenda aqui!

O que é o Openstack? Entenda tudo a respeito aqui!
8 minutos para ler
Tempo de leitura 8 min

Compreender o que é o OpenStack é relativamente simples para quem já sabe a diferença entre nuvens públicas e as privadas. Vamos relembrar rapidamente o conceito a seguir:

  • públicas: geralmente, são gerenciadas por um provedor do serviço, que disponibiliza recursos de TI para os clientes. Assim, várias empresas compartilham a mesma infraestrutura e pagam conforme o uso de cada uma. Alguns exemplos são o Google Cloud, o Amazon Web Services, entre outros;
  • privadas: são aquelas em que as empresas constroem sua própria infraestrutura para atendimento de suas necessidades, seja hospedada dentro de seu próprio datacenter ou um datacenter externo. Neste formato, toda a infraestrutura é gerenciada pela própria empresa, desde a energia até a entrega da infraestrutura em si.

Agora que você se lembra dos conceitos básicos, vamos explicar melhor o OpenStack. Acompanhe!

O que é o OpenStack?

No caso de plataformas de nuvem pública, como Amazon, Microsoft e Google, qualquer pessoa pode criar as suas próprias máquinas virtuais e as suas próprias infraestruturas completamente isoladas uma da outra. Os próprios provedores já fornecem, dentro das suas aplicações, as opções de virtualização ou de plataforma. No entanto, ainda há todas aquelas limitações de você não poder personalizar as soluções de acordo com sua necessidade, menos controle sobre a infraestrutura, preocupações com a segurança etc.

Nas privadas, você certamente terá de instalar uma solução de virtualização de nuvens privadas a fim de criar vários ambientes diferentes para seus aplicativos, seus funcionários, ERPs etc. Isso é essencial para um acesso a dados organizado e rápido. O OpenStack é justamente a ferramenta certa de virtualização para construção de nuvens privadas. O objetivo desta tecnologia é que você consiga criar múltiplos data centers e múltiplas  micro-infraestruturas de TI dentro de uma única infraestrutura.

Assim, você não precisará ter um conjunto servidores dedicados a cada data center que você precisa criar. Tudo será hospedado nos mesmos equipamentos, mas o OpenStack cria data center virtuais que funcionam exatamente da mesma forma que os data centers físicos individualizados. Em outras palavras, ​mesmo que na parte física do data center esteja tudo junto, cada usuário pode criar uma infraestrutura isolada, segura e completamente automatizada.

Desse modo, uma infraestrutura não se comunica com a outra, havendo isolamento de rede. O OpenStack faz exatamente isso: permite que você crie múltiplas infraestruturas de TI dentro de um mesmo ambiente físico, mas completamente isoladas. Assim, você pode configurar todas as características que ele deseja para cada data center.

Como funciona e como implementá-lo em seu negócio?

O OpenStack é um software open-source, isto é, não é propriedade de nenhuma empresa. Todo o código é construído em um processo colaborativo dos vários programadores usuários de cada módulo do OpenStack. Assim, à medida que eles percebem, na prática, que é preciso uma melhoria, eles “colocam a mão na massa”. A RedHat tem sua versão enterprise do OpenStack, baseada nos códigos desenvolvidos pela comunidade. Esta versão é suportada por este fabricante, homologada e testada para os mais variados modelos de hardware e possui uma garantia de continuidade de cada versão, um roadmap.

A questão do open source traz uma agilidade diferente daquela que falamos na questão da implementação. Como se trata de um código aberto, isso faz com que o OpenStack tenha novidades rapidamente. Afinal, há uma grande comunidade de desenvolvedores realmente engajados para melhorar a ferramenta.

Então, frequentemente saem novas funcionalidades, novas features dentro da plataforma OpenStack, pela inovação que essa metodologia de código aberto traz. Isso geralmente permite uma inovação muito rápida e cada vez mais funcionalidades para implementação da plataforma.

Mesmo assim, o OpenStack tem um procedimento de certa forma complexo para implementação, voltado para um segmento de negócio bem específico. Ele é indicado para empresas com um grande dinamismo na criação de recursos de infraestrutura, como empresas de data center, empresas realmente de infraestrutura de TI ou empresas que adicionam recursos físicos e compram servidores com uma grande frequência (bancos, seguradoras e empresas de comunicação, por exemplo).

O OpenStack é muito complexo tecnicamente e necessita de uma avaliação bastante profunda de quais aplicações a empresa deseja hospedar, que tipo de soluções ela pretende ofertar dentro do Openstack e que tipo de automações ela gostaria de fazer. Assim, é necessário fazer uma análise bastante profunda de implementação para se desenhar o roadmap (mapa de implementação), o que não é algo simples. Por isso, você precisa do parceiro certo.

Quais são os módulos do OpenStack?

O OpenStack é uma ferramenta de gestão de nuvem que busca atender todos os cinco critérios de qualidade do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos, que são rede, recursos agrupados, interface de usuário, provisionamento de capacidade e alocação/controle automatizado de recursos.

  • NOVA: é a ferramenta de acesso e de gerenciamento de recursos computacionais. Nela, você pode incluir programações, criações e exclusões de capacidades;
  • NEUTRON: faz a conexão entre as redes com outros serviços do OpenStack;
  • SWIFT: é o módulo de criação de armazenamento de objetos de dados não estruturados, que os armazena e os recupera por meio de uma API RESTful;
  • CINDER: ele armazena os blocos persistentes e os deixa acessíveis por meio de uma API de autosserviço;
  • KEYSTONE: é a ferramenta de autorização e autentificação de serviços do OpenStack;
  • GLANCE: é a solução de armazenamento e de recuperação de imagens de discos de máquinas virtuais.

Quais são as vantagens de utilizá-lo?

​Rapidez e dinamismo

O grande objetivo do OpenStack é criar infraestrutura de TI mais rapidamente e com muito mais dinamismo. Assim, agiliza-se a criação de infraestrutura, mesmo nos casos em que há entrada e saída muito grande de recursos físicos. Por exemplo, se eu compro muito, a todo momento, eu preciso ficar tornando esses recursos disponíveis para uso, e o Openstack traz a automatização de todo esse processo — o que torna o trabalho do administrador da nuvem muito mais fácil e ágil.

Personalização

Apesar de precisar de somente uma única infraestrutura física, será preciso criar vários ambientes diferentes dentro da nuvem privada com várias finalidades. Por exemplo, caso sua empresa disponibilize um aplicativo para os seus clientes e tenha também um sistema de gestão de recursos empresariais, não será preciso criar um servidor físico para cada um. Bastará criar duas máquinas virtuais diferentes com o OpenStack.

No entanto, provavelmente, o administrador precisará configurar cada uma delas de acordo com as necessidades específicas. Então, dentro do OpenStack, ele poderá fazer tudo isso, personalizando as capacidades de processamento (CPU) disponível para cada uma, de memória de trabalho (RAM), de armazenamento, de rede etc. Da mesma forma, quando for preciso mudar essas configurações, como aumentar a capacidade de armazenamento de um usuário, ele fará isso rapidamente com alguns comandos.

Automação

Também, o próprio administrador poderá permitir a automação de algumas dessas tarefas. Por exemplo, se tiver um aplicativo perto de utilizar o limite da sua capacidade de armazenamento, o OpenStack altera as configurações para ampliá-la e evitar a interrupção do serviço para o seu cliente. Além disso, tudo é monitorado automaticamente e o sistema vai sempre avisar o administrador quando algum capacidade estiver no seu limite crítico. Assim, você sempre saberá quando aumentar a infraestrutura física antes que seus usuários sofram com lentidão ou falhas.

Como a FábricaDS pode contribuir com o uso do OpenStack?

A FábricaDS já realizou implementações em várias empresas importantes no mercado, como bancos e telecomunicações. Assim, temos o conhecimento completo da solução e podemos ajudar a fazer o mapeamento dos casos de uso, ou seja, quais ferramentas utilizar e em que tarefas. Portanto, ajudamos você a entender de que forma o OpenStack pode apoiar a operação da sua empresa.

Vale ressaltar que o Openstack não é uma solução de mercado para qualquer negócio. Ele serve para casos de uso bastante específicos, sendo que, na maioria das vezes, apesar de parecer uma solução que resolve muitos problemas, se a implementação for feita da forma errada, pode criar mais problemas do que resolver.

A FábricaDS pode auxiliar nessa implementação e decisão, até mesmo podendo indicar caminhos mais simples para a resolução dos problemas, os quais não envolvem necessariamente com o OpenStack, mas plataformas ou ferramentas mais simples. Essa identificação é bem importante para evitar um gasto de tempo e recursos desnecessariamente. Por isso, é imprescindível ter uma empresa especialista como a FábricaDS apoiando para ter a certeza na tomada de decisão.

Quer saber se o OpenStack é a ferramenta certa para a sua empresa e como podemos ajudar a implementá-lo no seu contexto? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

 

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Scroll Up