Entenda tudo sobre a Red Hat

Red Hat: confira o guia completo sobre essa organização
12 minutos para ler
Tempo de leitura 12 min

Tudo começou em 1993, quando o pequeno empresário Bob Young conheceu um nerd em uma conferência de TI: Marc Ewing. Esse, por sua vez, era conhecido como o homem do chapéu vermelho. Daí, tiveram uma ideia: criar uma empresa chamada de Red Hat.

Pouco criativo ― no momento da criação, não havia ninguém do Marketing envolvido ―, mas a história do chapéu é interessante: foi dado por seu avô, era de lacrosse e da Cornell University. Porém, Marc estudava no Carnegie Mellon.

Rixas de universidades à parte, muito café e linhas de código depois, a Red Hat já está com mais de 25 anos, sendo a pioneira em diversos projetos, sistemas e plataformas construídos em Linux. Virou uma gigante e, há pouco tempo, foi adquirida pela IBM por 34 bilhões de dólares ― que garantiu que a empresa não perderá a cultura dos negócios e das pessoas que trabalham lá atualmente.

Vamos saber mais sobre essa organização e como as soluções dela poderão ajudar a sua empresa? Acompanhe!

Crescimento no mercado

A primeira coisa que a Red Hat queria era ganhar dinheiro, é claro, mas a proposta era escrever códigos para o ambiente Linux, que, na época, também era uma novidade e totalmente gratuito ― mas, aí, entraríamos em outra história.

Basta saber que, se você estiver navegando no Mozilla ou em seu smartphone, provavelmente, está rodando, no mínimo, um programa em Linux.

Mas como isso funciona, então? A Red Hat obtém sua receita por meio de fornecimento de serviços, suporte e documentação oficial para seu software. Por esse motivo, logo mudou seu foco para o mundo empresarial e conquistou rapidamente seu espaço no mercado, oferecendo também modelos de desenvolvimento, distribuição e negócios de software.

Claro que isso levou alguns anos, mas eles conseguiram ganhar a atenção de gigantes como DreamWorks, Atos, USPS (Serviço Postal dos EUA), Avianca, Lenovo, Bolsa de Nova York e até os submarinos militares norte-americanos!

Poder de inovação

Esse ambiente tinha o código de programação aberto a qualquer um e gratuitamente ― explicaremos melhor daqui há pouco.

Vamos entender, então, que a Red Hat provocou e talvez tenha sido uma das responsáveis por começar a era da transformação digital assim que as capacidades de armazenamento e de processamento começaram a ser viáveis, rápidas e seguras, além de permitir grandes avanços nos ambientes colaborativos.

Apesar do fato de a Red Hat já ser antiga no mundo da TI, suas lições se aplicam diretamente ao cenário atual. Como a Red Hat descobriu um novo modelo de negócios? Por observar, identificar oportunidades e mudar o tempo todo, ao:

  • utilizar o pensamento criativo ― pensar fora da caixa;
  • aproveitar as mudanças do mercado para criar um produto disruptivo;
  • observar e cocriar com seus especialistas e empresas parceiras;
  • ouvir atentamente os clientes por meio de conversas presenciais e detalhadas com especialistas e usuários de cada setor e empresa ― adquirindo, assim, muito conhecimento do core business;
  • confiar em seus instintos e não desistir do seu novo modelo de negócios que, por anos, teve um feedback negativo inicial dos capitalistas de risco;
  • ter a coragem e a perspicácia de manter seu plano o mesmo por anos até que os compradores estivessem prontos para adotar sua oferta de produtos ― reforço e estabilização da marca.

Códigos abertos são, afinal, a ponte para a inovação, já que universalizam a acessibilidade a uma série de recursos necessários ao desenvolvimento de aplicações.

Valor perante as empresas

A popularidade do Linux como sistema operacional — que, em grande parte, tirou fatia de mercado do Microsoft Windows — mostrou como o código aberto poderia alimentar o mercado de software proprietário.

E a Red Hat se aproveitou disso e cresceu em conjunto, ao continuar no modelo de negócio original de código aberto e usar uma combinação de serviços de suporte, treinamento e integração baseados em assinatura.

Mas a empresa precisava estar muito à frente do mercado, e deliberou que:

  • se estabeleceria como líder de pensamento e solucionadora de problemas para uma missão maior do que apenas seu produto;
  • construiria acordos de parceria favoráveis;
  • levaria a Red Hat para a bolsa, para construir a credibilidade e conquistar clientes ainda maiores.

Em 1999, a empresa alcançou uma avaliação multibilionária em seu primeiro dia de negociação e cresceu maciçamente, até que foi arrematada pela IBM, num valor de US$ 34 bilhões, no final de 2018.

Presença nas 500 maiores empresas do mundo

Voltando ao final dos anos 90, os principais fornecedores de software empresarial, como a Oracle, começaram a oferecer suporte ao Linux. Os principais fabricantes de servidores, incluindo IBM, Dell e HP, logo, seguiram o exemplo.

Desde então, silenciosamente, o Linux se tornou difundido e cerca de 90% das maiores empresas utilizavam ele como solução em 2013, segundo a Forbes. No Brasil, esse número está em cerca de 70%, segundo a Computer World.

Na área de telecomunicações, também houve uma migração em massa dos equipamentos de computação em meados dos anos 2000. Entre 2007 e 2010, todas as principais bolsas de valores também o fizeram.

A maioria das novas TVs, aparelhos de som, roteadores de internet, e-readers e diversos dispositivos móveis são movidos pelo Linux. E, se você não sabe, o Android fez milhões de usuários inconscientes do Linux.

Quer saber de mais algumas empresas que utilizam a Red Hat? Pode pensar em Google, Facebook, Twitter e as demais plataformas de redes sociais, principalmente, quanto às soluções de servidor híbrido, devido à sua enorme estabilidade. Ah sim, a Amazon, a Intel e a Microsoft! Sim, até ela se rendeu, no nicho corporativo.

Soluções oferecidas pela Red Hat

Atualmente, existem diversas soluções diferentes disponíveis para o ramo empresarial. Os produtos Enterprise da Red Hat são largamente utilizados como plataforma e/ou servem como base para o desenvolvimento de diversas soluções pelas maiores empresas do mundo.

E essas organizações adoram os benefícios oferecidos. Os serviços mais críticos para os negócios são implantados nesses produtos, por meio dos quais a Red Hat oferece:

  • estabilidade;
  • escalabilidade;
  • suporte ao cliente;
  • licença paga e atualizações de até 10 anos, a partir da versão 4.0.

Vamos detalhar algumas ferramentas e conceitos oferecidos pela Red Hat e exibir também o portfólio disponível para o seu negócio. Acompanhe!

Nuvem híbrida

As tecnologias de open source ― código fonte aberto ― proporcionam uma base mais consistente para qualquer tipo de implantação, pronta para atender a todas as tendências em cloud para o futuro. E, para entender melhor o conceito de nuvem híbrida, vamos às definições:

Em uma nuvem pública, temos os dados, códigos e aplicativos armazenados em um data center público. Todo o seu core business continuará sendo propriedade de sua organização, mas a infraestrutura física será compartilhada.

Em uma nuvem privada, temos os dados, códigos e aplicativos armazenados em um data center com a infraestrutura criada e acessada somente para a sua própria empresa. Esse data center pode estar on-premises ou não.

A nuvem híbrida é um mix entre as nuvens pública e privada. A solução mais comum é deixar o core business ― todas as regras de negócio ― em uma nuvem privada e os dados e demais aplicativos sem regras, em uma infraestrutura de nuvem pública.

Até aí, não temos muita novidade, já que muitas empresas já utilizam essa solução há muitos anos. Mas a infraestrutura e a capacidade computacional que vieram com a transformação digital possibilitarão que uma nuvem privada tenha seus recursos ampliados em nível exponencial a partir da reserva de recursos em uma nuvem pública.

Essa solução mantém os níveis de serviço em um patamar ideal, mesmo que as necessidades dos recursos ― por exemplo, execução de aplicações e APIs, extração de dados para relatórios gerenciais ― tenham diversas flutuações de uso computacional.

As soluções implantadas em nuvem podem maximizar os lucros e aperfeiçoar as cargas de trabalho. Ao contar com a ampla prateleira de soluções da Red Hat, alcançamos um alto patamar de qualidade e eficiência para desenvolvimento de sistemas empresariais.

Open Source

Normalmente, a codificação é trancada a sete chaves, pois tem um valor que, por vezes, é inestimável à empresa. Por esse motivo, havia muita resistência das organizações na adoção do Linux. Já mostramos que esse conceito mudou e, principalmente, as maiores organizações utilizam o RHEL em, pelo menos, um processo sistêmico.

Como conceito lógico, open source significa código-fonte aberto, ou seja, milhares de linhas de programação do sistema operacional, da plataforma, do serviço e/ou do aplicativo estão disponíveis para que qualquer pessoa, de qualquer empresa ou não, possa realizar alguma alteração no código, em qualquer lugar do planeta.

Como negócio, o software de código aberto funciona da mesma maneira que os sistemas de software proprietário fornecidos por empresas de software comercial.

No entanto, a ideia por trás do software de código aberto é que os usuários sejam efetivamente codesenvolvedores, sugerindo maneiras de melhorá-lo e ajudando a descobrir bugs e problemas. Isso significa que, se desejar, você pode modificá-lo para suas próprias necessidades, portá-lo para novos sistemas operacionais e compartilhá-lo com outras pessoas.

DevOps

Falando em compartilhar, chegamos ao conceito do DevOps. O significado mais próximo seria a combinação das palavras Desenvolvimento e Operações. Esse conceito mudou fundamentalmente a cultura da TI corporativa, porque trata da segurança, do ambiente colaborativo, da automação e da análise de dados.

Ao agregar método Agile e um ambiente de colaboração, a Red Hat tem soluções que permitem a seus clientes que implementem o conceito de DevOps.

Muito utilizado, segue derrubando obstáculos entre as equipes e diminuindo significativamente prazos para permitir que as empresas funcionem de maneira mais eficiente. O combustível que impulsiona o DevOps é a automação.

cultura DevOps transformou a maneira como as organizações criam, testam, implantam, monitoram e atualizam os softwares, e as soluções Red Hat estão muito presentes.

Novidades do Red Hat Enterprise Linux 8

Segurança

A última versão disponibilizada das plataformas e soluções empresariais suportadas pela Red Hat, contempla novos recursos de segurança. Foi incluído o suporte ao padrão de criptografia TLS 1.3 ― protocolo central usado para proteger os dados trafegados pela internet.

As políticas criptográficas de todo o sistema, que configuram os subsistemas criptográficos centrais, cobrirão os protocolos TLS, IPsec, SSH, DNSSEC e Kerberos.

Além disso, a Red Hat está facilitando para administradores de sistema gerenciar políticas criptográficas com um novo recurso: update-crypto-policies, em que é possível alternar facilmente entre os modos: padrão, legado, futuro e fips.

Memória

Talvez a maior mudança das soluções empresariais seja em termos de desempenho do sistema, especificamente, devido a um novo limite superior na capacidade da memória física.

Anteriormente, havia um limite físico de 64 TB de memória do sistema por servidor. Graças aos novos recursos de desempenho nos processadores Intel e AMD de última geração, as soluções e plataformas da Red Hat terão um limite superior de 4 PB de capacidade de memória física.

Portfólio da Red Hat

O portfólio da Red Hat é grande e engloba diversas formas de gerenciamento e plataformas, então, vamos mostrar somente algumas das soluções existentes.

Red Hat Satellite

É uma ferramenta de gerenciamento de infraestrutura de TI usada principalmente para monitorar e gerenciar ambientes RHEL. O Satellite faz parte do conjunto de ferramentas de gerenciamento de sistemas, que também inclui o Ansible, o CloudForms e o serviço Red Hat Insights.

Red Hat OpenShift Container Platform

Com o OpenShift, é possível construir, executar e dimensionar seus aplicativos na nuvem. Sua plataforma de aplicações em container permite que as tecnologias Docker e Kubernetes sejam implementadas e gerenciadas de forma eficaz e inteligente, e em qualquer infraestrutura ― cloud pública ou privada.

Red Hat Fuse

Chamado anteriormente de Red Hat JBoss Fuse e parte do desenvolvimento Agile, é a plataforma de integração nativa em cloud computing, das APIs contendo os serviços integrados.

Red Hat 3scale API Management

O 3scale facilita o gerenciamento de APIs. Com essa ferramenta, é possível compartilhar, proteger, distribuir e controlar as APIs em uma plataforma de infraestrutura criada para oferecer desempenho e crescimento futuro. Também é possível implementar os componentes on-premises, na cloud ou em ambientes híbridos.

JBoss Enterprise Application Platform

Onde estiver sua estrutura de servidores, o JBoss estará lá para compilar e implantar as soluções Java Enterprise Edition (EE).

Estar na vanguarda da tecnologia é apenas um dos requisitos para a construção de uma empresa disruptiva e multibilionária. Descobrir um modelo de negócios único é tão importante quanto, se não mais importante.

Vimos nesse post que a Red Hat é a plataforma ideal para os gestores que buscam ambientes de trabalho mais colaborativos e produtivos, uma performance elevada e uma infraestrutura robusta e estável.

Não perca mais tempo e provoque a revolução em sua organização! Para isso, conte com uma empresa sólida que tem os melhores especialistas em Red Hat: a FábricaDS. Entre em contato conosco agora mesmo!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Scroll Up