O que é SDN (Rede definida por software)?

6 minutos para ler

SDN é a sigla para Software Defined Networking, que em língua portuguesa significa Rede Definida por Software. Ela é uma abordagem de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI), que tem a capacidade de abstrair os recursos da rede para um sistema virtualizado.

A SDN separa as funções de controle e encaminhamento de rede para criar uma nova rede onde se consiga gerenciá-la e programá-la de forma centralizada. Através dela, os responsáveis pelas operações de TI conseguem controlar o tráfego da rede em complexas topologias, utilizando um painel centralizado. Desta maneira, não existe a necessidade de gerenciar cada um dos dispositivos da rede de forma manual.

As vantagens da SDN

As empresas costumam adotar as SDNs em prol da superação das limitações que as infraestruturas de rede tradicionais possuem.

Sendo assim, vamos elencar algumas de suas vantagens para as organizações:

1. Menor custo:

A infraestrutura de uma SDN costuma ser bem mais econômica do que os hardwares que cumpram a mesma função. Isso ocorre pois essas redes são executadas em servidores que estão prontos para o uso empresarial, ao invés dos equipamentos caros com apenas uma finalidade. Essas infraestruturas ainda ocupam espaços menores, já que um único servidor cumpre várias funções. Desta forma, menos quantidade de hardware físico é necessária, possibilitando a consolidação de recursos. Sendo assim, existe menos necessidade de capacidade e de espaço físico, reduzindo os custos gerais.

2. Maior escalabilidade e flexibilidade:

Ao virtualizar a infraestrutura da rede, abre-se a possibilidade de contratar e ampliar os recursos de rede quando for necessário e conforme a necessidade. Desta forma, o complexo trabalho de adicionar um outro hardware proprietário é eliminado. Se a sua rede é definida pelo software, a flexibilidade é muito grande para que se possa provisionar o autosserviço da rede.

3. Gerenciamento de rede mais simples:

Quando a rede de sua empresa é definida através de um software, isso gera uma infraestrutura geral com operação mais simples. Isso porque ela não irá demandar profissionais bastante especializados para fazer seu gerenciamento.

Quando sua empresa une esse tipo de rede com o armazenamento definido por software, além de outras tecnologias, se torna possível um tipo de abordagem de infraestrutura de TI que se chama “hiperconvergência”. Nela, todos os elementos que a compõe são definidos por software.

Áreas essenciais da tecnologia SDN

Existem quatro áreas em que a tecnologia de SDN são essenciais para uma organização e podem fazer a diferença para as mesmas. São elas:

1. Programabilidade da rede:

A SDN faz com que o comportamento de uma rede seja controlado através de um software que fica em um lugar diferente dos equipamentos de rede que fornecem a conectividade física. Sendo assim, as operadoras da rede têm a possibilidade de ajustar seu comportamento para dar suporte até a clientes individuais e a novos serviços. Ao dissociar o software do hardware, as operadoras têm a possibilidade de fornecer serviços diferentes e inovadores com mais rapidez, sem as restrições das plataformas proprietárias e fechadas.

2. Centralização lógica de controle e inteligência:

O desenvolvimento da SDN foi feito com base em topologia de rede logicamente centralizada, que possibilita o gerenciamento e o controle inteligente dos recursos da rede. Quando a rede é construída de forma tradicional, seus métodos de controle são distribuídos, com equipamentos funcionando de forma autônoma e com o reconhecimento do estado da rede limitado. Mas a rede com base na SDN tem o controle centralizado. Isso faz com que as políticas de largura de banda, o gerenciamento, a segurança e a restauração sejam otimizados e inteligentes. Dessa maneira, a empresa tem uma visão mais ampla de sua rede.

3. Abstração de rede:

Todos os aplicativos e serviços que usam a tecnologia SDN são apartados do hardware que faz a conectividade física de controle de rede e de tecnologias subjacentes. No caso dos aplicativos, eles fazem a interação com a rede através de APIs, ao invés de interfaces gerenciadoras ligadas ao hardware.

4. Abertura:

As infraestruturas de SDN começaram a liderar em um momento de abertura, possibilitando a interoperabilidade entre diversos fornecedores e criando um ecossistema neutro em se tratando de fornecedor. A abertura vem da abordagem da SDN propriamente dita. As APIs abertas fornecem suporte para uma variedade grande de aplicações, incluindo aplicativos em rede fundamentais para negócios, orquestração na nuvem, SaaS e OSS/BSS. O software pode ainda comandar o hardware de diversos fornecedores com interfaces de programas abertas, tipo o OpenFlow. Além disso, aplicativos e serviços de rede inteligentes podem ser trabalhados dentro do ambiente de um software comum.

Outra grande vantagem da SDN é a capacidade que as operadoras possuem de gravar os programas que usam APIs da mesma e deixar os aplicativos controlarem o comportamento da rede. Ela possibilita que usuários elaborem aplicações que façam reconhecimento de rede, que monitorem com inteligência as condições da rede e que adaptem sua configuração automaticamente, conforme for necessário.

SDN e NFV

Organizações de telecomunicação utilizam uma outra forma de abstração da rede, conhecida como virtualização de funções de rede (NFV). Da mesma forma que a SDN, a NFV tira as funções de rede de um hardware. Para oferecer suporte à SDN, a NFV oferece uma infraestrutura onde o software da primeira será executado.

A NFV dá aos provedores a flexibilização para a execução de funções em diversos servidores ou para transferência conforme as necessidades, segundo a mudança de demanda. Dessa forma, os provedores de telecomunicação fazem a entrega de aplicações e serviços com mais celeridade.

Vamos a um exemplo. Caso o cliente exija uma função nova de rede, os provedores poderão começar uma máquina virtual nova para realizar essa solicitação. Quando essa função não se fizer mais necessária, desativar esta máquina virtual é possível. Essa é uma forma de testar a validade dos serviços em potencial sem riscos.

As empresas podem utilizar a NFV e a SDN juntas, a depender do que irá ser feito. Além disso, elas usam o mesmo hardware. Com a SDN e a NFV, é possível criar uma arquitetura de rede mais programável, flexível e que usa os recursos com maior eficiência.

Este post tirou suas dúvidas sobre SDN? Agora que você entende suas vantagens, entre em contato conosco para saber mais detalhes.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-